segunda-feira, 18 de novembro de 2013

NIGERIA - PERSEGUIÇÃO AOS CRISTÃOS

Onde Jihad e perseguição aos cristãos andam de mãos dadas, e desenfreadas


Outro artigo de Raymond Ibrahim, desta vez versando sobre o genocído dos cristãos na Nigéria.


Muitos ao redor do mundo puderam ter um pequeno vislumbre recentemente – da jihad islâmica que assola o norte da Nigéria, nas mãos do Boko Haram, uma organização dedicada a erradicar o cristianismo e fazer cumprir a totalidade da lei islâmica (Sharia).


Boko Haram líder Abubakr Shekau: " Deixe o mundo saber que temos sido ordenados por Alá para matar os infiéis."

No último domingo, 29 de setembro (de 2013), por volta de 1 hora da madrugada, terroristas islâmicos, vestidos com uniformes militares nigerianos, invadiram uma escola agrícola, atirando nos alunos enquanto eles dormiam em seus dormitórios, matando um total aproximado de 50 alunos.

Tal como aconteceu com os ataques islâmicos no Quênia e Paquistão, na semana anterior (no Quênia, o ataque em um shopping; no Paquistão, ataque em uma igreja cristã, deixando um total de cerca de 200 pessoas mortas e centenas de feridos), este ataque jihadista na Nigéria é, longe de uma aberração, simplesmente, o mais recente de uma tremendamente longa lista de atrocidades jihadistas, sendo que na maioria das vezes o alvo são os cristãos .

Na verdade, quando se trata da Nigéria, é difícil manter-se à par com as atrocidades, que acontecem tão frequentemente, às vezes, diariamente.

Assim, no dia antes do ataque à escola agrícola, no estado de Kaduna, Nigéria, pastores muçulmanos mataram 15 cristãos. E no dia anterior, militantes islâmicos mataram um pastor cristão e seu filho, incendiaram a sua igreja em Dorawa, e mataram outras 28 pessoas .

Ataques jihadistas em escolas e faculdades são comuns. Em julho, 40 cristãos foram mortos em um ataque a uma escola no estado de Yobe, Nigéria . O dormitório foi incendiado no ataque e aqueles que fugiam foram baleados. Um mês antes, outros 16 estudantes foram mortos em ataques contra uma escola secundária em Yobe, e em uma outra escola em Borno.

Um ano atrás, em outubro de 2012, jihadistas do Boko Haram invadiram a Faculdade Politécnica Federal, "separando os estudantes cristãos dos estudantes muçulmanos, dirigindo a cada vítima pelo seu nome, interrogando-os, e, em seguida, começaram a atirar neles ou cortaram as suas gargantas", matando 30 cristãos.

Esse negócio de separar os muçulmanos dos “infiéis”, libertando os muçulmanos, é algo que ocorre regularmente durante os ataques jihadistas (na medida em que é bom matar um infiel, mas é ruim matar um colega muçulmano, de acordo com a lei islâmica) . Assim, no fim de semana antes deste mais recente ataque terrorista na Nigéria, quando os jihadistas no Quênia invadiram um shopping lotado, eles também fizeram questão de diferenciar entre muçulmanos e não-muçulmanos, antes de iniciarem o massacre dos não-muçulmanos.

Em que pese que a identidade religiosa dos mortos no ataque recente à escola agrícola ainda não esteja clara, na maioria das vezes, o Boko Haram tem como alvo os cristãos e elementos do governo nigeriano. Mas muçulmanos também são, por vezes, mortos como efeito co-lateral. É interessante notar que um aluno sobrevivente disse à Reuters : “Eles começaram a reunir os alunos em grupos, em seguida, eles abriram fogo e mataram um grupo e, em seguida, mudaram-se para o próximo grupo e os mataram. Era tão terrível .”

Além disso, a Associated Press relatou que alguns dos mortos foram encontrados com suas “mãos entrelaçadas sob o queixo, como se estivessem em oração” – oração cristã, já que os muçulmanos não oram com as mãos postas sob seus queixos.

Dito isto, para um grupo purista como Boko Haram, os muçulmanos que se misturam com os cristãos, ou que aceitam a educação ocidental, são apóstatas infiéis, também dignos de morte. Na verdade, bastante fiel ao seu nome, “Boko Haram” significa “A educação ocidental é um pecado”, o grupo declarou recentemente: “Professores que ensinam educação ocidental? Vamos matá-los! Vamos matá-los na frente de seus alunos, e dizer aos alunos para, a partir de agora, estudarem o Alcorão .”

Mais recentemente, um novo relatório confirmou que o Boko Haram “bombardeou, queimou ou atacou” 50 igrejas na Nigéria desde janeiro de 2012; 366 pessoas – cuja esmagadora maioria eram cristãos – foram mortos apenas nestes ataques. O Boko Haram também se envolveu em “31 ataques individuais contra cristãos ou contra nigerianos do sul da Nigéria, considerados como cristãos, matando pelo menos 166 pessoas; 23 ataques direcionados a clérigos ou altas figuras islâmicas críticos do Boko Haram, matando pelo menos 60 pessoas; e, 21 ataques a instituições “não- islâmicas” ou a pessoas envolvidas em comportamento “não islâmico”, matando pelo menos 74”.

Os ataques do Boko Haram sobre a metade da população da Nigéria, os cristãos, é tão difundido e frequente que nem um mês se passa sem que várias que atrocidades apareçam na minha coluna mensal Perseguição Muçulmana dos Cristãos. Aqui, por exemplo, são listados alguns dos ataques do Boko Haram lançados sobre os cristãos no último relatório, compilado para o mês de julho de 2013:

Fonte: http://infielatento.blogspot.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário